domingo, 12 de março de 2017

A SATISFAÇÃO E SUA INCONSISTENTE BUSCA POR NUTRIÇÃO

É muito bem visto externamente e projetado o conceito de busca por satisfação imediata em conversão à felicidade e auto realização em diversos aspectos da existência humana. Este pensamento justifica a constante demanda de energia psíquica e de tempo em busca desenfreada por esta realização.

Freud em 1911 nos traz características interessantes sobre este funcionamento mental, nomeando de processo primário e secundário, Freud postula que desde os primórdios da iniciação humana nos encontramos ligados, promovendo o afastamento dos desconfortos da vida e consequentemente buscando a satisfação.

A consistente satisfação no 
campo psíquico não é plena justamente pelo fator secundário deste funcionamento, onde o indivíduo desassocia uma satisfação garantida e de cômodo acesso ao futuro de possuir uma satisfação que julga mais intensa e atraente. Neste contexto, a satisfação jamais se encontra num ponto fixo pelas inconsequentes vontades subjacentes ao ser, e não nutre pelo processo cíclico do retornar ao ponto de busca por satisfazer-se novamente ao futuro.
Sendo assim, temos a busca por satisfação como um seguimento relativo e instintual, semelhante às verdades que nos guia, não podendo possuí-la e obtê-la concretamente, mas ao passo que surgem e conforme agimos diferentemente da perspectiva perpassada e tida como meta atingível por conclusão.
As vontades cumprem um papel imprescindível nesta tarefa, onde nos direcionam por novos caminhos dessa mesma busca, de maneira altamente subjetiva e que nos implicam e também nos confundem durante a trajetória da ação pelo mesmo motivo de satisfazer essa pulsão, porém ainda temos a possibilidade de pensar-se as vontades, e também os desejos, e é dentro desta perspectiva que se encontra o desenvolvimento das capacidades de estruturação saudável, organizando as características necessárias que encontramos em meio às diversidades, aliando de forma consciente nossos valores e perspectivas psíquicas às externalidades que nos remetem.

Freud, S. 1917. FORMULAÇÕES SOBRE DOIS PRINCIPIOS DO FUNCIONAMENTO MENTAL, em OBRAS PSICOLÓGICAS COMPLETAS - Edição Standard Brasileira, IMAGO (1969-80).





Pedro Volpato
Psicoterapeuta
Contato:
pedrovolpato.blog@gmail.com
17 98154-4941

Nenhum comentário:

Postar um comentário